Ir para conteúdo

Senhora do Pranto

A Romaria à Senhora do Pranto iniciou-se em Lamas há mais de 100 anos, devido a uma praga de gafanhotos. O povo prometeu que se as suas preces fossem ouvidas e os bichos se fossem embora, iriam a Dornes, Ferreira do Zêzere, à Senhora do Pranto. O pedido foi atendido sendo realizada uma romaria, a qual se tem repetido todos os anos. 

Pelos Santos realiza-se um peditório para a festa de Senhora do Pranto. É transportada uma bandeira que percorre as casas, recolhendo-se o dinheiro ou milho que as pessoas oferecem. Na Pascoela faz-se uma festa e na semana a seguir, na sexta-feira, a bandeira sai de Lamas, às sete da manhã numa romaria a pé até Dornes, em Ferreira do Zêzere (perto da Barragem do Castelo de Bode). 

A Romaria é realizada de forma contínua, existindo apenas paragens para as pessoas comerem. 

A bandeira vai armada de Lamas até Pousafoles, onde é desarmada seguindo numa caixa. Perto de Dornes é novamente armada e tem que entrar na igreja antes das 19 horas.  

Antigamente eram alugadas casas onde eram realizadas as pernoitas em Dornes, hoje em dia a Casa Paroquial alberga os romeiros. 

A bandeira fica na igreja até sábado à noite quando os romeiros a vão buscar para partirem de Dornes às 5 da manhã de domingo. 

Neste dia, a Romaria sai de Dornes, dizendo-se que a Senhora do Pranto chora quando o povo se vem embora. 

A bandeira volta a ser armada em Vendas, juntando-se aí o rancho todo.  

No alto de Podentes, ao Pinheiro Manso, deita-se um foguete que é ouvido em Lamas, avisando as pessoas que a Romaria está a chegar. 

Em Podentes, logo que o sacristão avista a bandeira, tocam os sinos e só depois de a perder de vista é que os sinos param de tocar.  

A Romaria segue para Pousafoles onde uma banda a espera, passando pelo meio do lugar, onde as pessoas a recebem deitando flores a partir das suas janelas. 

Em Lamas, a Romaria é esperada na “Estação” com um ramo. O ramo velho é trocado pelo novo que segue na ponta da bandeira. Da “Estação” a bandeira segue para a igreja onde é realizada missa e aí fica até ao ano seguinte.